Busque aqui:

Regulagem básica de barcos à remo

Regulagem básica de barcos à remo

Aqui vamos tentar te ajudar a regular seu barco, pois sem isso, a tendência seria a de compensar a desregulagem, muitas vezes causando defeitos na remada, má postura ou até dores e problemas nas costas.
Vou tentar dar uma luz para quem precisa e por isso fiz algumas ilustrações para ajudar. Espero poder ajudar.

Material Necessário

 

Obs. A Concept2brasil, no Rio de Janeiro, representa um aparelho (pitch meter) feito exclusivamente para regular barcos a remo e que facilita em muito o trabalho.

Vamos ao trabalho

1. Aferir graus dos remos – Colocar os remos no chão, com a pá voltada para baixo, como na figura:

2. Certificar-se de que o chão está nivelado.

3. Colocar o “Pitchmeter” ou transferidor e nível, em cima da chumaceira (encosto do remo) para aferir o grau do remo.

 

Aconselho a se anotar e guardar esses dados e se possível etiquetar cada remo com seu respectivo grau.
O padrão tem sido de 0º, ficando assim mais fácil à regulagem e a padronização do equipamento.

4. Uma medida de comprimento padrão de remo d palamenta dupla é de 3,00m para remos com pás Macon e 2,89m (com variações para 2,86 de acordo com o peso do atleta) para remos com pás Big Blade ou Smothie.

5. As alavancas internas devem ser ajustadas para 89 cm, do encosto da forqueta à ponta do punho (medida média, podendo variar até 87cm, de aocrdo com o peso e força do atleta)

Essas medidas são um padrão, mas podem ser ajustadas de acordo com as características físicas de cada remador.

O barco

6. Altura das braçadeiras – Coloque a régua apoiada nas bordas (consideramos aqui que as bordas sejam simétricas) e meçam a altura da régua até o encosto de baixo na forqueta (X), e da régua até a parte mais funda do carrinho (Y).

 

A soma de x + y, nos dá a altura de cada braçadeira

Repitam a operação para o outro bordo.
O Boreste deve ficar 1 cm mais alto que o Bombordo e as alturas variam de 14 à 17 cm, dependendo da altura do remador.

Podemos subir as braçadeiras colocando arruelas no pino, em baixo ou em cima da forqueta.
No caso de forquetas antigas, podemos variar as alturas colocando arruelas nos parafusos que fixam as braçadeiras (no caso para subir, colocar as arruelas em baixo)

7. Nivele o barco tanto na longitudinal, como na transversal, apoiando-o em 2 cavaletes e se for necessário, calçando um deles.

Se possível, seria bom fixar o barco na posição nivelada através de dois grampos (sargentos) e dois sarrafos presos às braçadeiras.

 

8. Zerando os Pinos – Retire as forquetas e meça a distância do centro de um pino ao centro do outro pino, certificando-se que a distância de cada pino ao centro do barco seja igual.

9. Meça com o transferidor e nível ou pitchmeter o prumo do pino. Os pinos, a princípio, devem ficar na vertical. Depois vamos ver que podem ter 1,5º de inclinação para fora se o remador quiser que a remada aperte no final ou o remo tenda a afundar ligeiramente no final da remada.
Para que os pinos fiquem na vertical, muitas vezes precisamos entortar ligeiramente as braçadeiras. (Procedimento normal até em barcos de alto rendimento)

10. Vamos usar aqui uma medida padrão que será de 4º em cada remo. Uma vez que os pinos estejam na vertical, devemos ver o grau do remo e no caso de 0º, utilizar as buchas azuis da forqueta, nº 4/4.

Por exemplo, no caso de remos com 1º, utilizar as buchas 3/5, assim os 3º da forqueta se somarão ao grau do remo, totalizando os 4º.

11. Avanço de trilhos – Amarrando um fio de forqueta à forqueta (encosto à encosto), teremos a linha média do barco.

Chegando o carrinho pra frente (ré do barco) e olhando-se de cima veremos o avanço dos trilhos, que devem variar de 2 à 16 cm.

12. Inclinação e altura do Fincapé – Encostar o Transferidor na tábua do fincapé, colocando sua haste na horizontal, com a ajuda do nível. O ângulo do fincapé deve variar de 40º a 45º, de acordo com a flexibilidade e o conforto de cada remador.

 

A altura do fincapé é medida do fundo do sapato até a altura do fundo do carrinho. Precisando para isso da régua da trena.
Porém a maneira mais prática é o conforto para se abrir bem a remada na proa e isso varia de acordo com a flexibilidade de cada remador

PS: Existem regulagens mais apuradas para se aferir o barco quanto à alinhamentos e linha d’água, mas espero que com isso que você consiga ajustar seu barco para um melhor desempenho e maior conforto em suas remadas.

Entre em contato e saiba mais.